sábado, 26 de maio de 2007

Capítulo 15

0 comentários

Carnificina no porto

Dos carros, saltaram os mafiosos, encasacados e metralhadoras expelindo chumbo.

Eles fuzilaram o motorista e o passageiro da caminhonete, no qual estavam as caixas, bem como os marinheiros, que tentavam salvar suas vidas jogando-se no mar, mas que, atingidos pelos disparos, na água encontravam apenas mais um oponente, se não morriam baleados, morriam agonizando, sangrando e se afogando.

Os chineses tentaram uma reação. Um a um, desceram dos carros, mas eram incansavelmente metralhados pelos italianos. Após todos haverem tombado, do último automóvel saiu Vinny. Ele desfilou por entre a carnificina até chegar na carroceria da caminhonete. Conferiu as caixas. Um dos capangas lhe passou um pé-de-cabra, com o qual Vinny abriu uma delas. Parecia estar satisfeito.

Foi quando a cabeça dum dos italianos explodiu, seguido por um som seco. Vinny e seus soldados buscaram cobertura.

Procurei, com meu binóculo, a origem do disparo. Num galpão, ao lado do meu, um franco-atirador recarregava seu rifle.

Eu me escondi.

Ouvi gritos lá embaixo e rajadas de metralhadora. Os italianos tentavam alvejar o atirador, que efetuou um segundo disparo e, provavelmente, abateu mais um, pelos gritos que se seguiram.

Ergui minha cabeça parcialmente. Mais uma vez, o atirador recarregava. No solo, os italianos aproveitavam este momento e correram para seus carros e para a caminhonete. Tentavam fugir da cena de combate.

O atirador efetuou outro disparo, no intuito de acertar o motorista da caminhonete. Mas ela continuou em movimento, os italianos escapavam.

Apanhando seu rifle, o atirador se moveu para o outro lado do depósito, tentando acertar alguns tiros pela retaguarda.

Com a câmera, tirei algumas fotos do assassino. Pelo que tudo indicava, era um dos chineses, encarregado de proteger a operação. Ele havia fracassado.

Fiquei deitado no telhado do depósito por algum tempo. Aguardava que o atirador fosse embora.

Desci e, antes de partir, dei uma olhada na carnificina. Dos italianos, havia apenas um corpo, aquele que teve os miolos espalhados pelo disparo do rifle. Improvável que a polícia conseguisse reconhecer o corpo. Já os chineses, os cadáveres deles estavam por todo lado. Não havia sobreviventes.

Sons de sirenes se aproximavam. Corri até meu carro e percorri o caminho mais longo de volta para o escritório.

Eu estava exausto. Quase quatro horas da manhã. Eu descansaria um pouco e, logo cedo, pegaria um trem para algum lugar.

Para onde?

Ainda não sabia, mas para qualquer lugar longe da guerra que estava para começar.

Arrumei uma valise de mão com alguns trapos, meu revólver e meu bloco de notas. Retirei da pasta um maço de dinheiro, umas quinhentas pratas, dinheiro suficiente para me esbaldar por mais de mês, e depois escondi as duas maletas sob tábuas soltas, embaixo da escrivaninha, junto com a caderneta da Silvana, a pistola e os rolos de filme com as fotos desta noite sanguinolenta.

Despejei-me sobre o sofá, mas não consegui dormir, apesar do cansaço. Estava preocupado, algo me incomodava profundamente. Quando ouvi um bochicho no corredor do prédio, em frente à minha porta, compreendi minha preocupação. Vi silhuetas através do vidro fosco, falavam chinês.

Eles vieram me pegar.

Como chegaram até mim?

Alguém havia me dedurado. Esta era a única possibilidade. Os chineses me esfolariam vivo, era isto que eles costumavam fazer.

Me delataram e agora os chinas estavam à minha porta.

Retornar ao Capítulo 14 <<===>> Avançar para o Capítulo 16

quarta-feira, 23 de maio de 2007

Capítulo 14

0 comentários

Vico acompanha o descarregamento das mercadorias no porto

Noventa por cento do trabalho dum detetive é esperar.

Um detetive competente é aquele que consegue agüentar longas horas, atento, vigilante, esperando apenas aquele segundo, no qual ele obterá a prova que solucionará o caso. Horas, pelo segundo certo.

Neste sentido, eu poderia me considerar como um puta investigador. Isto desde criança, eu empoleirado na árvore, esperando a Mariana trocar de roupa. Suportando câimbra, frio, desconforto, apenas por aquele momento que valeria a minha noite e que povoaria minha imaginação antes de dormir, quando eu brincava sozinho na cama, gemendo baixo para que meu pai não acordasse e viesse me bater com aquele bafo de bêbado.

Eu sabia esperar, e onde fazer isto para que não fosse descoberto.

Montei meu equipamento no telhado dum armazém. A câmera armada num tripé, apontada para o píer quatorze.

Ao contrário de dois dias atrás, quando o cais estava envolto em névoa, a noite de quarta estava maravilhosa, a lua cheia e algumas estrelas salpicadas no céu. Quando cheguei, ainda havia movimento no porto, mas, enquanto anoitecia, as pessoas desapareçam e os navios silenciaram.

Comi um sanduíche, tomei café, fumei um cigarrinho. Quando a hora esperada se aproximou, comecei a ficar ansioso. Faltavam quinze minutos para a meia-noite.

No mar, avistei um minúsculo ponto luminoso. Apanhei o binóculo. Era uma embarcação. Lentamente, balouçando, ela vinha para o porto. Tão devagar que parecia levar uma eternidade.

Do barco, surgiu um sinal de luz. Os tripulantes estavam indicando, para alguém em terra, que estava tudo bem.

Detectei um homem lá embaixo, com uma lanterna na mão, respondia ao sinal. Neste momento, quatro automóveis e uma caminhonete chegaram e estacionaram no porto. Deles, desceram vários homens, chineses, sem dúvida, todos baixinhos e cabeçudos. Traziam metralhadoras dependuradas nos ombros.

Eu os fotografei.

O navio atracou. Um marinheiro chinês desembarcou e amarrou no píer o barco. Em seguida, caminhou em direção aos outros chineses em terra e os cumprimentou. O que deveria ser o líder do grupo deve ter dado a ordem para descarregar a mercadoria, pois o marinheiro correu de volta ao barco e se iniciaram os trabalhos.

Era exatamente meia-noite e trinta e dois minutos quando a primeira caixa foi derribada. O trabalho braçal era realizado pelos marujos, os outros, que vieram de carro, pareciam ser apenas os guarda-costas. Uma a uma, as caixas foram levadas para a caminhonete, num total de dez.

Os chineses embarcaram nos veículos e começaram a manobrar para partirem.

Onde estavam os italianos? Será que preferiram não intervir?

Eu fotografava tudo, mas, pelo visto, este tudo seria nada.

Quando os chineses, em comboio, estavam deixando o píer e realizando a curva para contornar um dos depósitos e atingir a estrada para a cidade, um caminhão veio na contramão e se chocou de frente contra o primeiro automóvel. Por trás do comboio, surgiram outros dois carros, que bloquearam a fuga. Um terceiro veículo estacionou no píer.

Os italianos haviam feito a sua magistral chegada.

Retornar ao Capítulo 13 <<===>> Avançar para o Capítulo 15