sexta-feira, 6 de julho de 2007

Capítulo 27

O detetive Vico o diário de Silvana

Num banco de praça, sob a minguada luz dum poste, desenrodilhei o diário do pano. Ao abrí-lo, algo caiu dele, ouvi um som metálico entre meus pés. Abaixei-me e tateei no escuro. Uma chave, pequenina, atada a uma fita carmesim. Guardei no mesmo bolso onde estavam os comprimidos de Silvana.

O diário da falecida eram anotações esporádicas, às vezes, com semanas de intervalo entre uma entrada e outra. Começava há uns três anos, terminando numa noite antes do dia da morte dela.

Havia uma tentação me forçando a lê-lo de trás para frente, mas, o mais óbvio, o mais sensato, seria começar pelo começo. Primeiro, as causas; depois, as conseqüências. Isto se o que eu estava procurando estivesse escrito ali.

Silvana contava suas misérias; ela não tinha talento para poetisa, mas, vez ou outra, surgia um soneto mal escrito. Sempre lamúrias, reclamando duma vida desgraçada, mescladas com o anseio de deixar a vida de mulher fácil (existe coisa mais difícil do que ser mulher de vida fácil?, pensei). Então, o nome de Carregno começa a aparecer no diário; primeiro como Don Carregno, o dono da boate na qual ela dançava, depois, como Gigi. Não é difícil deduzir que, dentre estes dois momentos, muito aconteceu.

A melancolia de Silvana desaparece, aos poucos, e há um vislumbre de que, talvez, a vida não fosse tão miserável quanto se pensava. A morte da mulher de Giuseppe é uma nova prova, para Silvana, de que sua vida está mudando; é convidada para morar na mansão, Giuseppe arruma-lhe um quarto, uma gorda mesada. Mas o preço que ela tem de pagar é grande, como marido, Giuseppe não é tão carinhoso como quando eram amantes. Silvana apanha e, se tentasse fugir, seria morta. Talvez a vida não fosse tão bela como ela chegou a pensar que poderia ser. Então, surge Vinny, o sobrinho do chefão.

É que a história começa a ficar realmente interessante.

E é que as peças começam a se encaixar.

Foi quando comecei a descobrir meu papel nesta armação, o modo como fui manipulado, e o perigo que eu representava.

Retornar ao Capítulo 26 <<===>> Avançar para o Capítulo 28

Nenhum comentário: